segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Animal Poetry



Há quem pense que o poeta pensa.
Ele não pensa, costuma ser um desastre intelectual.

Há quem pense que o poeta é um erudito refinado...
Outros, este não, este é só
um vagabundo da cultura. Ardiloso,
se passa por douto.

Há quem pense que o poeta tem o poder
de sondar os abismos da palavra,
da alma e da cidade dos homens,
quando apenas vaga perdido na superfície dos mares
como um pirata vil e violento, sedento
por roubar o tesouro dos homens
e torrá-lo em orgias nababescas.

Há quem pense que o poeta é sensível…
Isto ele é, mas sem sutileza.
Sim, o poeta é sensível,
de uma sensibilidade brutal.

Poema do livro Última Dobra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário