domingo, 18 de dezembro de 2016

o reino de mammon

cada palmo de terra
tem cerca e senhor
sertão não tem não

um maquinal compasso
de prazos e horários
adestra a duração

balcões e vitrines
encerram o desejo
em gaiolas de ouro

nem as almas tão leves
escapam ao peso
das réguas do preço

o corpo e a mente
dia a dia se negam
se entregando ao trabalho

no coração dos súditos
a aridez das horas
a solidão dos muros



Nenhum comentário:

Postar um comentário